quinta-feira, 23 de julho de 2015

A FAMILIA OLOROKE DE BAURU

A FAMILIA OLOROKE DE BAURU APRESENTA ESTE TEXTO EM HOMENAGEM AQUELE QUE FOI O PIONEIRO DA NAÇÃO EFON NO RIO DE JANEIRO E SÃO PAULO, NOS TRAZENDO O ASÉ DE OLOKE. QUE BABA CRISTOVÃO SEJA SEMPRE LEMBRADO.
BABA CRISTOVÃO
Pesquisa de campo
Gostaria de deixar bem claro que todos os dados apresentados aqui foram esclarecidos por pessoas que compartilharam no seu dia a dia a Casa “Ogun Anaweji Igbele ni Omon” por filhos de Santo da Nação Efon do Brasil, filhos e netos de santo de Baba Cristovão. Em virtude dos dados não terem sido registrados em escrita, então descupem-me se alguma coisa for omitida ou não citada.
Vindo de uma família de prestigio em salvador, tendo irmãos médicos e professores, Cristovão Lopes dos Anjos nascido em 25 de julho de 1898, tipografo de profissão é Iniciado para o orisa Ogun aos 13 anos no Terreiro do Oloroke em Salvador “Asé Yangba Oloroke ti Efon” recebendo o cargo de Asogun.
Baba Cristovãom teve quatro filhos, sendo eles:- Arlinda Lopes dos Anjos (Mãe Lindinha de Oya), Milton Lopes dos Anjos (Melodia – Ogan Obaluwaiye), Dinorh Lopes dos anjos e Waldomiro Lopes do Anjos (Vava – Ogan Orisanla). Sua esposa era Celina de Yemoja iniciada no terreiro do Oloroke.

Filho de santo de Maria Bernarda da Paixão, cuja alcunha era Maria violão e seu Oruko era Adebolu, com a morte de sua mãe Cristovão em conjunto com Ya Oluwa (Matilde Muniz do Nascimento) recebem o Asé Efon em Salvador, sito à Travessa Antonio Costa nº 12, Engenho Velho de Brotas. Não tendo como assumir a roça por divergências com Ya Matilde de Jagun, Baba Cristovão abre sua roça em Amaralina – Ubaranas, e começa ali sua luta por um espaço na religião.
Da Roça de Amaralina pode-se destacar vários barcos de Yawo, tais como:
1º barco – uma mulher de nome Jango que foi iniciada pra Sango.
2º barco – Lindinha de Oya, iniciada por Mãe Runho do Terreiro do Bogun, Letinha de Osun, iniciada por Cristovão, recebendo o Cargo de Yadagan por longo período, Maria de Osala.

3º barco – Maria José de Ogun, Tomazia de Obaluwaiye, , Amélia de Obaluwaiye, Waldemiro de Sango, Analia de Osun
4º barco – não se sabe o nome apenas que foi um Sango.
Com o passar dos Anos Baba Cristovam vem para o Rio de Janeiro e no dia 13 de julho de 1951 funda sua casa “Ile Ogun Anaweji Igbele ni Omon”, à rua Oliveira Castro nº15, Bairro Pantanal – Duque de Caxias – Rio de Janeiro.
Assim em continuidade a casa de Amaralina continuam as iniciações.
5º barco – Janete de Obaluwaiye, Maria Lopes dos Anjos , Sua neta carnal de Sango, e um tenente iniciado para Sango.
6º barco – Maria de Lourdes de Obaluwaiye, Baba Alvinho de Omolu, Rubens Lopes dos Anjos, neto carnal de Baba Cristovam iniciado para Obaluwaiye, Cristina de Osun, Ogan Alaor de Iroko, Ogan Fernando de Ososi.
7º barco – Ana de Ogun, Mariazinha de Osala.
8º barco – Adélia de Osala e um Yawo de Sango
9º barco – Marlene Pinto de Almeida (irmã carnal de Alvinho) de Osun
10º barco – um yawo de Ogun, um Yawo de Sango
11º barco – Paulo de Obaluwaiye, Potiguara de Ososi, José de Osun, mais uma yawo de Osun, Djalma de Osun, Terezinha de Yemoja, José de Osala.
12º barco – Miro de Obaluwaiye, Taika de Yemoja
13º barco – o povo antigo não gostava de usar o nº 13
14º barco – Olga de Osun
15º barco – Helena de Osun
16º barco – Luiza de Osun
17º barco – Celina de Yemoja, Marlene de Obaluwaiye.
18º barco – Messias de Ogun (asogun)
19º barco – Uma Yawo de Yemoja
20º barco – um yawo de Ososi e uma yawo de Osun
21º barco – Geraldinha de Osun.
22º barco – Samir de Ososi, maria de Obaluwaiye, lia de Osumare, Almir de Osala, jurema de Osun.
23º barco – Elizabete de Obaluwaye
24º barco – Hilda de Oya.
25º barco – Carmem de Obaluwaiye.
26º barco – João de Ogun, Tereza de Osun
27º barco – Antonio de Sango, Osvaldo de Sango
28º barco – Manuel de Ogun




29º barco – Luizinho de Osun.
30º barco - Ogan Neto de Obaluwaiye.
31º barco – Omar de obaluwaiye, Edezio de Oduduwa.
32º barco – Luiz de Logun Ede
Com 74 anos de iniciado e 87 anos de Idade, Cristovão Lopes dos Anjos faleceu no dia 23 de setembro de 1985. Inegavelmente uma grande perda para os iniciados da Nação Efon, assim como para o Candomble como um todo. Em seu lugar deixou sua neta carnal, Maria Lopes dos Anjos – Maria de Sango, que atualmente é uma das iniciadas de maior expressão dentro da nação Efon.
Fora todos estes iniciados citados acima e que foram iniciados na casa de Baba Cristovão, ele também iniciou muitos outros na casa de outras pessoas que o chamavam, para iniciar Yawo assim como confirmação de Ogan e Ekeji, sendo assim fica muito difícil precisar o número exato de filhos iniciados pelas mãos deste grande Ícone da nação Efon.
Quero aqui deixar o meu testemunho de que tenho um grande Orgulho de ser Bisneto de Santo de Baba Cristovão e assim pertencer a família Oloroke.




quinta-feira, 9 de julho de 2015

lembrancinhas dos orixas e entidades